NOTÍCIAS


Voltar

Concursos TRE 2019 têm 144 vagas autorizadas para nível médio e superior em todo o país

Excelente notícia para os concurseiros que almejam uma vaga nos TRE’s do Brasil! O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publicou no Diário Oficial da União uma tabela com a quantidade de cargos vagos, com autorização para provimento no próprio órgão e também nos tribunais eleitorais do país.
 
O quantitativo autorizado é de 144 vagas, sendo 61 para técnicos judiciários e 83 para analistas judiciários. Os cargos poderão ser preenchidos por aprovados em concurso com prazo de validade ainda vigente ou através de abertura de um novo concurso.
 
Vagas autorizadas
 
TSE: 12 vagas, sendo 07 Analistas e 05 Técnicos;
TRE-AC: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-AL: 03 vagas, sendo 01 Analista e 02 Técnicos;
TRE-AM: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-BA: 04 vagas, sendo 01 e 03 Técnicos;
TRE-CE: 12 vagas, sendo 08 Analistas e 04 Técnicos;
TRE-DF: sem vagas para provimento;
TRE-ES: sem vagas para provimento;
TRE-GO: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-MA: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-MT: 01 vaga de Analista;
TRE-MS: 04 vagas, sendo 01 Analista e 03 Técnico;
TRE-MG: 09 vagas, sendo 03 Analista e 06 Técnico;
TRE-PA: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-PB: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-PR: 21 vagas, sendo 06 Analista e 15 Técnico;
TRE-PE: 04 vagas, sendo 01 Analista e 03 Técnico;
TRE-PI: 03 vagas, sendo 03 Técnico;
TRE-RJ: 18 vagas, sendo 08 de Analista e 10 Técnico;
TRE-RN: 02 vagas, sendo 02 Técnico;
TRE-RS: 03 vagas, sendo 01 Analista e 02 Técnico;
TRE-RO: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-SC: 03 vagas, sendo 02 Analista e 01 Técnico;
TRE-SP: 22 vagas, sendo 10 Analista e 12 Técnico;
TRE-SE: 02 vagas, sendo 01 Analista e 01 Técnico;
TRE-TO: 06 vagas, sendo 03 Analista e 03 Técnico;
TRE-RR: 01 vaga para Técnico;
TRE-AP: sem vagas para provimento
 
Nomeações
 
Uma decisão assinada em novembro de 2017 pelo até então presidente do TSE, Gilmar Mendes, impediu que todos os tribunais regionais eleitorais realizassem nomeações de servidores para cargos efetivos na Justiça Eleitoral. Na ocasião, a medida cumpria a Emenda Constitucional nº 95, de dezembro de 2016, que instituiu o Novo Regime Fiscal no país: a PEC dos Gastos.
 
A  PEC dos Gastos limitava o gasto público dos órgãos públicos Federais. A proposta tinha como objetivo contribuir para o ajuste estrutural das contas públicas. No entanto, em Julho deste ano a justiça eleitoral foi autorizada a realizar o provimento de cargos efetivos em algumas hipóteses definidas na Portaria TSE nº 574/2018.
 
De acordo com o novo texto publicado (veja abaixo), estão autorizadas as nomeações no âmbito da Justiça Eleitoral desde que o provimento de cargos efetivos atendem os seguintes critérios:
 
I – vacâncias, ocorridas a partir de 1º de abril de 2018;
 
II – readaptação, reversão, aproveitamento, reintegração e recondução; e
 
III – cumprimento de sentença judicial transitada em julgado.
 
O texto ainda informa que vai competir ao Tribunal Superior Eleitoral, por meio da Secretaria de Planejamento, Orçamento, Finanças e Contabilidade, acompanhar permanentemente a execução orçamentária, avaliando, sempre que julgar necessário, a possibilidade de retomada dos provimentos, ou mesmo a necessidade de vedação total destes, bem como elaborar e disponibilizar aos Tribunais Eleitorais orientações quanto aos procedimentos e prazos a serem observados.

outras notícias
Depoimentos
  • Sarah de Mattos Oliveira, Arquiteta, 24 anos, aluna do Curso Logos há 1 ano e 2 meses. Metódica e organizada, é assim que Sarah se julga. Qualidades que contribuíram para passar no concurso de Auditor Fiscal do Trabalho. Atribui seu sucesso às 10 horas de estudo fora o tempo que estava no curso. Freqüentadora assídua dos sites que fornecem provas de concursos anteriores, Sarah acredita que conhecer a Banca é importante e que traz segurança na hora da prova. ¨O mais interessante é que, mesmo sendo formada em Arquitetura, me identifiquei com todas as disciplinas deste concurso e isso me ajudou, pois gostava de estudar. Sempre tive esperança que ia passar”.

  • João Paulo Santos Leonel, 27 anos, 1º Lugar de Minas no TRE-MG. Formado em Filosofia, trabalhava como GARÇOM de quinta a domingo em um bar e aos domingos servia almoço em um restaurante. Começou tendo que conciliar o trabalho com os estudos. Um tempo depois, quando percebeu que havia formado uma boa base, pediu demissão e ficou só estudando. Com isso, conseguiu passar no concurso do TRE/MG. Sempre estudou no Logos, onde seu irmão, Geraldo Edson Leonel Jr, também foi aluno e passou em 1º lugar no concurso do STM, que só tinha uma vaga. O maior incentivo para quem acha que passar em concurso não é possível e que não existem regras, nem “ditados”, afinal, João Paulo não cursou Direito, nem Economia, ou qualquer outro curso que o preparasse melhor para concursos! Além do mais, formar em Filosofia e trabalhar à noite pesariam, com certeza, na cabeça de qualquer pessoa que não tivesse a CORAGEM que ele teve de ACREDITAR que É POSSÍVEL SIM, PASSAR EM UM CONCURSO.

  • Ana Clara Zimmermmann Fonseca, 21 anos, 7º lugar na Polícia Rodoviária Federal. Estava cursando Administração na UFJF. Iniciou seus estudos no Logos e passou no 1º concurso que fez. Encontrou apoio na família, tanto emocional como financeiro, o que ela acredita ter sido de extrema importância para sua vitória. Nunca deixou de fazer exercícios físicos, pois sempre achou que ficava mais animada, feliz e sem stress. Jamais desanimou, às vezes chegou a pensar na dificuldade que é passar em um concurso tão concorrido, com matérias que ela inclusive nunca havia visto, como: Direito, Informática, Legislação de Trânsito..., mas com CALMA, DEDICAÇÃO, MUITA VONTADE  e a ajuda de DEUS conseguiu ser aprovada. Sentiu  uma “SENSAÇÃO MARAVILHOSA”, de Dever Cumprido.